Avatar “o filme” 2

Dirigida por James Cameron que esteve afastado das telas desde o triunfo de “Titanic que venceu 11 “Oscars” (o mais premiado ao lado de “Ben Hur”), “AVATAR” é a mais cara da produção da história do cinema (US$ 500 milhões)

O filme ocorre no futuro e conta a estória de Jake,  um veterano de guerra paraplégico, que é levado para o planeta Pandora. Local exuberante e hostil, onde o ar é venenoso para humanos, as plantas e criaturas são predadoras e perigosas, e os nativos, humanóides azuis com mais de três metros, os Na´vi,  não ficaram satisfeitos com os humanos e as máquinas que por  lá aportaram.

Lá ele descobre as intenções gananciosas da “Coorporação” para a qual trabalha, que pretende extrair um precioso metal espalhado por toda a floresta que cobre o planeta.

Devido ao planeta ser um lugar tão adverso, exércitos tradicionais são insuficientes para protegerem as minas. Para isso, uma espécie de programa de clones nomeado AVATAR que combina o DNA de humanos e de Na´vi foi criado. O resultado é essencialmente o clone de um Na´vi controlado remotamente pelo cérebro humano conectado em uma máquina.

Em troca da promessa de uma cirurgia da coluna vertebral que irá corrigir a imobilidade de suas pernas, Jake adere a uma unidade militar, e com seu AVATAR busca infiltar-se  com o objetivo de descobrir a cultura e as de defesas dos nativos, repassando ao seu superior, um coronel que pretende usar táticas cruéis de extermínio. Contudo, apaixona-se pela  bela alienígina Neytiri. E no final… (não farei esta maldade),

“Avatar” possui um forte apelo ecológico e tem tudo para faturar a maior parte dos prêmios técnicos do Oscar, tornando-se tão grande como “Titanic”.

Foram quase três horas, mas quando as luzes acenderam ficou a vontade de que tivesse sido mais longo (filme bom, você esta assistindo e torcendo para não acabar).

Um dos melhores que assisti (aos que acharem o contrário, gosto não se discute).  Assim, fico aguardando uma possível continuação.

Fonte: wikipédia

São João Paulo II 1

O papa Bento 16 assinou neste sábado decreto que reconhece que seu antecessor, João Paulo 2º, viveu a fé católica de modo heroico. O decreto de “virtudes heroicas” dá ao papa morto em 2005 o título de “venerável” e representa o começo da contagem regressiva para a elevação de João Paulo II à glória dos altares, que pode acontecer, segundo os observadores vaticanos, em outubro do próximo ano, coincidindo com a data em que Wojtyla foi eleito pontífice, em 1978.

O passo seguinte  será o reconhecimento de um milagre, podendo a partir daí ser beatificado.

Bento 16 começou a trabalhar para acelerar a santificação do antecessor apenas 2 semanas depois de assumir o posto. Ele abriu uma exceção à regra do Código de Direito Canônico  retirou o período de espera normal para início do processo, que é de cinco anos, e ordenou que as investigações sobre as “virtudes heroicas” de João Paulo 2º, reconhecidas neste sábado, começassem imediatamente.

Karol Wojtyla já possui os requisitos para a sua beatificação, como o clamor popular, que se difundiu após sua morte. Vários fiéis seguraram cartazes com a frase ‘Santo subito’ (santo imediatamente) nas vigílias no Vaticano, durante funerais do papa polonês.

Fonte: Folha de São Paulo/ Estado de São Paulo