Fórum de Urucará/Am recebe o nome do Promotor de Justiça Altair Ferreira Thury 1

Uma homenagem justa a um homem probo, que dedicou toda a sua vida à justiça e deixou como herança apenas a dignidade e a ética, que eu procuro seguir à risca”. Foi com esse sentimento que o desembargador Aristóteles Thury traduziu a homenagem que o Poder Judiciário do Amazonas fez ao seu pai, o promotor Altair Ferreira Thury, batizando o fórum do município de Urucará com o seu nome.

A inauguração do fórum, ocorrida ontem às 10h, com a presença da família Thury, foi um dos últimos atos administrativo do presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargador Domingos Chalub, que hoje, às 10h, entrega o cargo ao seu sucessor, o desembargador João Abdala Simões.

Localizado na rua Cel. Pinto, no bairro de Aparecida, o Fórum de Justiça Altair Ferreira Thury é um dos mais completos do interior do estado, com gabinete do promotor, sala de audiência, gabinete do juiz e cartório da 27ª. Zona Eleitoral.

A comitiva que desembarcou às 10h em Urucará, município com 25.000 habitantes,  situado na região do Baixo Amazonas, a 270 km de Manaus em linha reta,  estava composta do presidente do TJAM, Domingos Chalub, do vice-presidente desembargador Wilson Barroso e do desembargador Aristóteles Thury, filho do homenageado; Carmélia Lima Thury, viúva; Rafael Thury  filho; e Felipe dos Anjos Thury, neto.

Sob um sol brilhante, a comitiva foi recebida no aeroporto pelo prefeito Fernando Falabella, seguindo em comboio, direto para o fórum. Apesar de ser um dia de  jogo da seleção brasileira, muitos habitantes da cidade foram assistir á solenidade, que começou no lado externo do prédio, com o descerramento da placa com o nome do homenageado. O ato foi comandado pela matriarca da família Thury, d. Carmélia e seu filho Aristóteles. Também participaram o  presidente Chalub, o desembargador Barroso e o prefeito Falabella.

Em seguida eles se dirigiram ao corredor de entrada do fórum para a afixação do quadro do promotor Altair Thury. Logo depois da cerimônia, o desembargador Chalub quebrou o protocolo para dizer que não ia agradecer ao prefeito, porque quem está agradecido é o povo de Urucará. “Nenhum prefeito do interior construiu um fórum como este, ultra-funcional, por isso o povo está agradecido.

— O parabéns também é da família Thury, pelo escolha do nome para o fórum. Mas quem ganha com isso é a dignidade da Justiça amazonense. O Dr. Altair era um homem respeitado por todos. Só quem não gostava dele eram os bandidos a quem ele acusava. A sociedade gostava e o respeitava muito – disse Chalub.

Também discursaram os desembargadores Aristóteles Thury e Wilson Barroso. Amigo pessoal do homenageado, Barroso lembrou dos bons  tempos em que trabalhou a seu lado, na 8ª Vara Criminal. Thury voltou a resgatar a imagem do pai e seu compromisso com a profissão, lembrando que ele morreu pobre, mas deixou o exemplo de dignidade e ética.

— A seleção do Brasil pode até não ganhar hoje, mas Urucará está ganhando esse jogo. São poucos os municípios que têm um fórum como este.

O prefeito Fernando Falabella disse que não recusou o convite feito pelo diretor do Fórum, dr. Onildo Santana de Brito pára reformar o prédio porque ele é um magistrado que “trabalha muito, com seriedade, com respeito às Leis. E esse tipo de profissional nós temos eu ajudar”, disse o prefeito.

QUEM FOI O HOMENAGEADO

Altair Ferreira Thury nasceu no dia 16 de setembro de 1922 em Manicoré. Foi nomeado promotor de justiça da comarca de Eirunepé em fevereiro de 1965. Passou pelas comarcas de  Manicoré e Manacapuru. Em várias oportunidades esteve respondendo por várias procuradorias na comarca a capital, durante impedimento de seus titulares.

Em 1976 assumiu a procuradoria da comarca da Carauari. No mesmo ano assumiu o cargo de segundo Promotor de Justiça da capital.

Por decreto governamental de 1977, foi colocado à disposição da Secretaria de Estado de Segurança Pública pelo prazo de 12 meses, ocasião em que exerceu a Diretoria do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Como promotor de Justiça da capital participou  por dez anos de julgamento do tribunal do Júri. Foi aposentado em outubro de 1983.

— Meu pai assistia a todos os julgamentos no antigo Palácio da Justiça (hoje Centro Cultural), que tinha um belíssimo Tribunal do Júri e eu tive a oportunidade de encerrar, em 2008 – lembrou o desembargador Aristóteles Thury.

O promotor morreu em 1999, aos 76 anos

Texto:Mário Adolfo

Fotos: Alez Pazuelo

Fonte: http://www.tjam.jus.br

Um Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s