Pra frente Brasil! (Copa do Mundo 2010) 1

É muito difícil (mesmo para os que afirmam não gostar de futebol)  ficar neutro diante da euforia e do espírito de  patriotismo  e união que envolve os brasileiros durante as “Copas do Mundo”.

Somos os únicos a ter conquistado 5 (cinco) títulos mundiais.

Neste cenário somos a “superpotência”, somos os gigantes.

E este sentimento de grandeza e destaque produz efeitos em nosso povo que extravasa um patriotismo raro (normalmente reprimido por sedimentadas experiências de submissão econômica, política ou internacional).

Ruas e casas decoradas com faixas, fitas e pinturas nas cores verde e amarelo. Automóveis adornados com o pavilhão nacional. Milhares trajando seu uniforme “canarinho”.

Imiscuído com este “clima”, relembro no vídeo acima a música que embalou a conquista da Copa do Mundo do México em 1970 (Tri) pela seleção considerada  a melhor de todos os tempos.

Na Copa de 2010, não temos jogadores com a mesma qualidade técnica de Pelé, Tostão, Carlos Alberto, Gerson, Rivelino e Jairzinho, mas não me filio aos “pessimistas de plantão”.


PRA FRENTE BRASIL!

O primeiro título do meu filho: Flamengo 7

Em 1992 o Flamengo conquistava em uma final sobre o Botafogo o seu 5o título nacional (em que pese as lamúrias do Sport).

O tempo passou. Casei e virei pai de um varão que hoje esta com 12 anos: Julio Cezar.

Julio desde pequeno começou a demonstrar sua preferência pelo clube rubro-negro. Não acredito que as inúmeras camisas, bandeiras, adesivos… que lhe dei  tenham influenciado sua escolha.

Como forma de saciar sua paixão pelo futebol, assinei nesta temporada pelo  pay-per-view o campeonato brasileiro, carioca, paulista e espanhol. Ele é capaz de assistir com extremo interesse um jogo da quarta divisão do futebol japonês.

Um de seus desejos (que pretendo realizar se Deus assim o quiser)  é  ter a oportunidade  de ao meu lado ver o Flamengo ser campeão no Maracanã.

Este ano já tinhamos conquistado o tri-estadual. Mas faturar o “brasileiro”  em certo momento pareceu ser algo não alcançável (o Flamengo chegou a figurar na 14 colocação na tabela).

De repente, não mais que de repente (Vinícius de Morais), surge o ex-jogador Andrade, um dos protagonistas do “dream team” da década de oitenta, assumindo como técnico. Muitos não lhe deram credibilidade, considerando-o um simples “tapa-buraco”. Mas as coisas foram acontecendo e o Flamengo foi subindo, subindo, subindo…

Começamos a sonhar com a vaga na Libertadores e por fim, na última rodada, estavamos em primeiro lugar precisando apenas da vitória sobre o Grêmio para conquistarmos o Título.

Durante a semana, meu filho sonhou 4 noites seguidas que via o Flamengo sair vitorioso.

A situação parecia propícia. Jogavamos “em casa”, contra o Grêmio, maior rival do Internacional; e contavamos com a genialidade de Petcovic e Adriano, o “imperador”.

As 15:30 fomos para o shopping e escolhemos um restaurante que tivesse uma televisão para assistirmos o jogo.

Julio sentou-se sozinho em uma mesa, e por lá ficou. De tão concentrado, o mundo poderia desmoronar ao seu lado que ele não perceberia.

A Partida começou tensa. O Flamengo parecia nervoso e não jogava bem. Então, veio o gol do Grêmio e logo em seguida o gol do Inter. Pronto, estava tudo acabado (pensei com pessimismo). Julinho demonstrou uma expressão de descontentamento, mas diferente de mim, ainda acreditava na vitória. Sete minutos depois, o Flamengo empatava com um gol de David.

O empata era insuficiênte. Só a vitória interessava. Em Porto Alegre a Inter aumentava o placar, e terminava o primeiro tempo com a “mão na taça”.

Estavamos em um restaurante, mas nínguem pensava mais em comida.

O segundo tempo veio, e aos 24 minutos o zagueiro Ronaldo Angelim virava o jogo e fazia 2 x 1.

Os 21 minutos restantes pareciam “horas”. Quanta agonia! Mas meu jovem flamenguista permanecia fixo, concentrado…

O Inter ganhava do Santo André por 4 x 1; o São Paulo goleava o Sport por 4 x 0.

Veio o apito final. Com ele o grito de “é campeão”. Olhei para o Julinho e vi a sua alegria, seus pulos, seu orgulho de ser rubro-negro.

Que momento feliz. Somos HEXA!

Acompanhei todos os 6 títulos do “Mengão”. Mas este, com certeza  foi o mais marcante: o primeiro  ao lado do meu filho.

Ética, o que é isso? 3

Muitos não sabem o que é. Muitos sabem mas não a realizam e muitos simulam que a praticam.

O Triste é que em várias (na esperança de não dizer todas) instituições públicas/socias a ÉTICA  esta sendo ignorada.


César Cielo: O novo héroi brasileiro 1

César Cielo

César Cielo

De tempos em tempos surge no Brasil, por obra do destino ou de muito obstinação, um atleta que consegue chegar  ao “Olimpo” de uma modalidade esportiva (exceção feita ao futebol).

Assim aconteceu com Gustavo Kuerten, João do Pulo, Airton Senna, Maria Esther Bueno, Maureen Maggi,   Ricardo Prado, Gustavo Borges, etc.

Hoje, no campeonato mundial de esportes aquáticos em Roma, César Cielo igualou o feito realizado na última quinta-feira quando venceu a prova dos 100 metros livres e bateu o recorde mundial. Desta vez, o ouro veio na prova dos 50 metros livres, também vencida na Olimpíada de Pequim.

Cielo, com este resultado, igualou o feito do lendário nadador  russo Alexander Popov, recordista mundial dos 50m livre por oito anos e dos 100m por seis, e o único, além de Cielo, que seguiu um ouro olímpico por um ouro no Mundial.

Nosso país tem agora um novo héroi.

Alguém para torcer com chances de vitória.

Novas possibiidades de nos emocionarmos ao ver a bandeira “verde e amarela” no lugar mais alto do pódio.

Parabéns a todos estes superatletas que superando a falta de patrocínios privados e incentivos do Estado, conseguem emergir e impressionar o mundo com  suas façanhas.

E salvem o  novo “CAESAR DE ROMA“!!!!!

Os tenistas (masculinos) no topo do Ranking (por semanas) 5

1. PETE SAMPRAS –  – 286 semanas

Pete Sampras

Pete Sampras

2. IVAN LENDL –  – 270 semanas

3. JIMMY CONNORS – Flag of the United States – 268 semanas

4. ROGER FEDERER –  – 238 semanas

5. JOHN McENROE – Flag of the United States – 170 semanas

6. BJORN BORG –  – 109 semanas

7. ANDRE AGASSI – Flag of the United States – 101 semanas

8. LLEYTON HEWITT – Flag of Australia – 80 semanas

9. STEFAN EDBERG – Flag of Sweden – 72 semanas

10. JIM COURIER – Flag of the United States – 58 semanas

11. RAFAEL NADAL – Flag of Spain – 46 semanas

12. GUSTAVO KUERTEN –  – 43 semanas

13. ILIE NASTASE –  – 40 semanas

14. MATS WILLANDER – Flag of Sweden – 20 semanas

15. ANDY RODDICK – Flag of the United States – 13 semanas

16. BORIS BECKER –  – 12 semanas

17. MARAT SAFIN – Flag of Russia – 09 semanas

18. JOHN NEWCOMBE –  08 semanas

19. JUAN CARLOS FERRERO – Flag of Spain – 08 semanas

20. THOMAS MUSTER – Flag of Austria – 06 semanas

21. YEVGENY KAFELNIKOV –  06 semanas

22. MARCELO RÍOS –  – 06 semanas

23. CARLOS MOYÀ –  – 02 semanas

Atualizado até 06/07/2009

O Brasil ainda é o “País do Futebol” 2

Após esta perdendo por 2 x0, a seleção brasileira conseguiu uma incrível virada frente a equipe do EUA, conquistando pelo placar de 3×2 a Copa das Confederações.

Trata-se da 7o (sétima) edição de um torneio organizado pela FIFA e que conta com a participação do País sede da próxima Copa do Mundo (África do Sul), o atual campeão mundial (Itália), e os campeões das confederações:  Eurocopa (Espanha); Copa das Nações Africanas (Egito); Copa da Ásia ( Iraque  ); Copa das Nações da Oceania  (Nova Zelândia); Copa Ouro da CONCACAF  (Estados Unidos) e Copa América (Brasil).

Com este título a seleção brasileira tornou-se a única a vencer o torneio pela terceira vez (França 2, Argentina 1, México 1 e Dinamarca 1).

A “Fúria” espanhola, que deixou a modéstia em casa, chegou à Africa do Sul como favorita.  Com a arrogância de quem se achava imbatível,  voltou com o salto alto na bagagem e um modesto “terceiro lugar”.

Já o Brasil,  desacreditado e  jogando um futebol objetivo, responsável e sem estrelismos, acabou trazendo o caneco.

Quem sabe assim, repetindo a mesma fórmula e jogando somente com estrelas no peito não triunfemos com o HEXA.

Os vencedores de Grand Slam (FEMININO) Resposta

Jogadora AUT FRA WIM EUA TOT
Margaret S. Court 11 5 3 5 24
Steffi Graf 4 6 7 5 21
Helen Wills Moody 0 4 8 7 19
Martina Navratilova 3 2 9 4 18
Chris Evert 2 7 3 6 18
Billie Jean King 1 1 6 4 12
Serena Williams 4 1 3 3 11
Monica Seles 4 3 0 2 9
Suzanne Lenglen 0 2 6 0 8
Maureen Connolly 0 2 3 3 8
Molla Mallory 0 0 0 8 8
Justine Henin 1 4 0 2 7
Maria Esther Bueno 0 0 3 4 7
Dorothea Chambers 0 0 7 0 7
Venus Williams 0 0 5 2 7
Doris Hart 1 2 1 2 6
Louise Clapp 1 0 4 1 6
Margaret DuPont 0 2 1 3 6
Evonne Goolagong 4 1 1 0 6
Blanche Hillyard 0 0 6 0 6
Nancy Bolton 6 0 0 0 6
Martina Hingis 3 0 1 1 5
Nice Barble 0 0 1 4 5
Althea Gibson 0 1 2 2 5
Alice Marble 0 0 1 4 5
Helen Jacobs 0 0 1 4 5
Charlotte Dod 0 0 5 0 5
Charlotte Sterry 0 0 5 0 5
Daphne Akhurst 5 0 0 0 5
Arantxa Sanchez 0 3 0 1 4
Pauline Betz 0 0 1 3 4
Hana Mandlikova 2 1 0 1 4
Hazel Hotchkiss 0 0 0 4 4
Elizabeth Moore 0 0 0 4 4
Louise Brough 0 0 4 0 4

Fonte: TenisBrasil (http://www2.uol.com.br/tenisbrasil/index.htm)

Os vencedores de Grand Slam (MASCULINO) Resposta

Jogador AUT FRA WIM EUA TOTS
Roger Federer 3 1 6 5 15
Pete Sampras 2 0 7 5 14
Roy Emerson 6 2 2 2 12
Bjorn Borg 0 6 5 0 11
Rod Laver 3 2 4 2 11
Bill Tilden 0 0 3 7 10
Andre Agassi 4 1 1 2 8
Ivan Lendl 2 3 0 3 8
Jimmy Connors 1 0 2 5 8
Fred Perry 1 1 3 3 8
Ken Rosewall 4 2 0 2 8
John McEnroe 0 0 3 4 7
Mats Wilander 3 3 0 1 7
René Lacoste 0 3 2 2 7
Henri Cochet 0 4 2 1 7
William Renshaw 0 0 7 0 7
Richard Sears 0 0 0 7 7
Bill Larned 0 0 0 7 7
Rafael Nadal 1 4 1 0 6
Boris Becker 2 0 3 1 6
Stefan Edberg 2 0 2 2 6
John Newcombe 2 0 3 1 6
Don Budge 1 1 2 2 6
Hugh Doherty 0 0 5 1 6
Jack Crawford 4 0 1 0 5
Jim Courier 2 2 0 0 4
Guillermo Vilas 2 1 0 1 4
Manoel Santana 0 2 1 1 4
Tony Trabert 0 2 0 2 4
Reggie Doherty 0 0 4 0 4
Anthony Wilding 0 0 4 0 4
Bob Wrenn 0 0 0 4 4
Arthur Ashe 1 0 1 1 3
Jan Kodes 0 2 1 0 3
Bob Riggs 0 0 1 2 3
Gerald Pattersen 1 0 2 0 3
Neale Fraser 0 0 1 2 3
James Anderson 3 0 0 0 3
Adrian Quist 3 0 0 0 3
Gustavo Kuerten 0 3 0 0 3
Arthur Gore 0 0 3 0 3
Wilfred Baddeley 0 0 3 0 3
Oliver Campbell 0 0 0 3 3
Malcolm Whitmann 0 0 0 3 3

Fonte: TenisBrasil (http://www2.uol.com.br/tenisbrasil/index.htm)